Now Reading
Festival Latinidades chega à 17ª edição e convoca público para aclamar o trabalho de mulheres negras

Festival Latinidades chega à 17ª edição e convoca público para aclamar o trabalho de mulheres negras

Com a temática Vem Ser Fã Das Mulheres Negras, o festival celebra o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana Caribenha no Brasil, com música, literatura, dança, moda, feira afro e amplifica o debate sobre a regularização e o reconhecimento como patrimônio cultural do trabalho de trancistas.

Sasha Campbell, La Dame Blanche, Alaíde Costa e Sandra de Sá são alguns dos destaques do Festival Latinidades 2024
(Foto: Divulgação, Lúcia Olmos, Murilo Alvesso, Divulgação)

Latinidades, maior festival de mulheres negras da América Latina e responsável por amplificar a visibilidade do 25 de julho, Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana Caribenha no Brasil, chega à 17ª edição fazendo um chamado: Vem Ser Fã Das Mulheres Negras. Durante o mês de julho o evento passará por quatro territórios, começando por Salvador (BA), entre os dias 5 e 7 de julho, seguindo para um debate sobre produção cultural, racismo ambiental e justiça climática no Quilombo Mesquita (GO), em 20 de julho; no Distrito Federal a programação começa no dia 25 e encerra dia 27 com shows, que incluem as homenageadas Sister Nancy e Alaíde Costa, e na capital paulista haverá uma festa especial com show de La Dame Blanche, em 26 de julho.

O Latinidades, idealizado por Jaqueline Fernandes, é uma iniciativa continuada de promoção de equidade de raça, gênero, plataforma de formação e impulsionamento de trajetórias de mulheres negras nos mais diversos campos de atuação. Para isso, seguindo um conceito de multilinguagens, o festival desenvolve diálogos com o poder público, organizações não-governamentais, movimentos sociais e culturais, universidades, redes, coletivos e outros grupos, com o propósito de convergir iniciativas do estado e da sociedade civil relacionadas ao enfrentamento do racismo, sexismo e promoção da igualdade racial.

Em 2024, com a temática Vem Ser Fã de Mulheres Negras, o evento faz um chamado pelo reconhecimento e celebração da força transformadora das mulheres negras. A proposta é convidar todas as pessoas a saberem mais sobre o impacto positivo estimulado por elas e a se engajarem em uma jornada de formação de público. “Ser fã de mulheres negras em uma sociedade racista e machista é revolucionário. Em todas as edições do Latinidades, nosso objetivo é resgatar e evidenciar o papel fundamental das mulheres negras no desenvolvimento da sociedade e na conquista de direitos”, destaca Jaqueline Fernandes, diretora geral e idealizadora do Festival Latinidades.

Este ano, o evento homenageará mulheres que abriram caminhos para artistas negras no Brasil e no mundo — como a rainha do reggae Rita Marley, cantora cubana e CEO de fundações em prol da luta contra pobreza e a fome, Sister Nancy, cantora, compositora e DJ jamaicana, conhecida como a rainha do dancehall, a mãe da bossa nova Alaíde Costa, e Sandra Sá, artista brasileira, intitulada a rainha do soul.

Em suas 16 edições o Latinidades tem trabalhado por amplificar vozes e talentos que muitas vezes são marginalizados ou apagados, reforçando a importância de políticas públicas que promovam equidade racial e de gênero. Em 2024, o foco estará na discussão sobre o trabalho das trancistas brasileiras, em defesa de sua regulamentação e de seu reconhecimento como patrimônio cultural. Com atividades em Salvador e Brasília, o festival terá mesas de debate sobre origens, significados culturais, sociais e econômicos, além da importância do ofício de trancista, com a participação de profissionais, ativistas e artistas.

Salvador será a primeira cidade a receber o Latinidades 2024, com uma programação que inclui música, debates, lançamentos literários, dança e feira afro. Este ano, o Concerto Internacional Contra o Racismo volta ao festival com uma novidade. Além da apresentação no dia 7 de julho, artistas e organizações se reunirão para um debate sobre a realidade do racismo no Brasil e no mundo, o seu impacto nas indústrias musical e cultural e como os artistas podem aproveitar talentos, posição e proeminência para combater o racismo. A capital baiana também terá um espaço literário, com o lançamento da versão em espanhol da obra La Radical Imaginación Política de las Mujeres Negras Brasileñas, desenvolvida por Ana Carolina, Anielle Franco, Vilma Reis e Chris Gomes, idealizadoras da Rede Nacional de Mulheres Negras na Política. A edição hispânica do livro também inclui novos textos de Ochy Curiel, antropóloga dominicana radicada no Chile, e de Juanita Bone, ativista feminista negra do Equador.

Outro debate previsto para esta edição será sobre as estratégias e tecnologias ancestrais dos povos tradicionais para enfrentar as emergências climáticas e desafios socioambientais. O evento Guardiões do Amanhã: Diálogos sobre Produção Cultural, Racismo Ambiental e Justiça Climática será realizado no dia 20 de julho, no Quilombo Mesquita, localizado em Goiás, a 50 quilômetros de Brasília. Este quilombo tem 278 anos e, ao longo de sua história de ancestralidade e resistência, perdeu 80% de seu território: originalmente, ele chegava até a área atual da Esplanada dos Três Poderes. Criada em parceria com o festival CoMA – Consciência, Música e Arte, a atividade irá reunir lideranças indígenas, quilombolas, de terreiros e os considerados guardiões do futuro.

Em parceria com a Confraria dos Pretos, uma ação afirmativa idealizada por jovens negros de diversas áreas do conhecimento, o Festival Latinidades volta a São Paulo para uma festa especial em comemoração ao Mês da Mulher Negra. No dia 26 de julho, La Dame Blanche apresentará suas influências afro-cubanas nativas com batidas de hip hop, trap, reggae e reggaeton no palco da casa de shows Cine Joia. O line up da celebração ainda terá show de Iké Melanina Jazz e participação especial de Bia Doxum e DJ Shonda. Os ingressos podem ser adquiridos no site do Cine Joia a partir de R$ 40.
 

Brasília, cidade original do Latinidades, recebe o festival a partir do dia 25 de julho, com patrocínio especial da Ambev. Será inaugurada a exposição interativa-imersiva Afrolatinas – 30 anos em Movimentos, no Museu Nacional da República, que contará a história do Dia da Mulher Negra e das lutas coletivas após 30 anos de sua criação. O evento também contará com uma sessão especial do documentário Afrolatinas – 30 anos em movimentos, dirigido por Viviane Ferreira, cineasta, ex-presidente da SPCine e diretora do filme Ó Paí Ó 2. O longa é acompanhado por uma experiência imersiva desenvolvida em uma plataforma de jogos de realidade virtual, que permite ao público acessar a partir da escolha de universos da natureza – a mata, a terra e a água, traduzidos como elementos mágicos, depoimentos de mulheres negras, ativistas e importantes lideranças na luta por equidade de gênero e raça que revivem a história dos movimentos sociopolíticos.

Resgatando a estratégia de engajamento para a realização do I Encontro de Mulheres Negras da América Latina e do Caribe, que ocorreu na República Dominicana em 1992, reunindo importantes nomes do ativismo negro, o Festival Latinidades firmou uma parceria inédita com o Correios. O público presente à programação no Museu Nacional da República será convidado a escrever uma carta para uma mulher negra que admire e enviá-la, utilizando um selo criado especialmente para a celebração do Dia da Mulher Afro Latino-Americana e Caribenha, estabelecido durante o evento de 30 anos atrás.

A programação de Brasília ainda terá um desfile de moda — Afro Fusion Modeling – realizado em colaboração com 35 embaixadas de países africanos, o Mostra Humor Negro, que reunirá artistas negras de Stand Up Comady, como Tatá Mendonça, Bruna Braga e Niny Magalhães, além de grandes shows como Sandra de Sá, Alaíde Costa, Bia Ferreira, La Dame Blanche, Sister Nacy, Gaby Amarantos e Irmãs de Pau, encerrando 17ª edição do Festival Latinidades, na área externa do Museu Nacional.

What's Your Reaction?
Curti
0
Descurti
0
Interessante
0
Quero
0

© 2020. Afro.Tv Brasil todos direitos reservados.