Now Reading
Rapper Jovem MK lança curta metragem inspirado em seu álbum ‘Meu Karma’ revelando a crua realidade dos jovens brasileiros

Rapper Jovem MK lança curta metragem inspirado em seu álbum ‘Meu Karma’ revelando a crua realidade dos jovens brasileiros

Com produção cinematográfica, o filme elenca o primeiro álbum da artista, que traz narrativa realista sobre problema social das quebradas do país

Jovem MK – Meu Karma

Em 2022 o Instituto Sou da Paz publicou a segunda edição da pesquisa intitulada ‘Violência Armada e Racismo: o papel da Arma de Fogo na Desigualdade Racial’ revelando que pretos e pardos são mais de 70% das vítimas de disparo de arma de fogo no Brasil, entre crianças e adolescentes de 10 a 19 anos, esse número sobe para 85%. Jovem MK, rapper paulista trouxe à tona uma discussão social muito importante com relação ao tema: para muitos jovens no Brasil, o primeiro presente que eles recebem na vida é uma arma de fogo.

O primeiro álbum musical lançado recentemente pela KondZilla, chamado ‘Meu Karma’, é uma obra densa, vibrante e emocionante que traça um paralelo entre as ilusões e desilusões da vida no crime, mostrando a ascensão e redenção que muitos jovens brasileiros são submetidos. Para dar mais visibilidade ao problema social iminente, Jovem MK se juntou à KondZilla, agência Africa Creative, Czar SP e Satelite Audio, para transformar esse poderoso álbum em uma produção cinematográfica que dá vida às suas letras de uma forma poética. 

“O meu primeiro álbum, ‘Meu Karma’, traz as iniciais do meu nome, pois é onde eu pude mostrar meus ideais, mostrar quem sou eu. Eu pude abordar bastante o tema da quebrada, as realidades da periferia. Essa vivência no bairro que eu cresci que me inspirou”, afirma Jovem MK. “Eu tinha 14 anos e logo de cara me deram um 38. Logo eu, mano, que nunca ganhei presente de ninguém. É evidente como o abandono do Estado empurra jovens das comunidades para os braços do crime. Colocar isso em pauta na sociedade, nas conversas das pessoas, foi o meu principal objetivo com a música e agora com o curta metragem”, completa.

“O aumento de armas de fogo em circulação no país, aliado a discursos que incentivam a violência, traz risco para toda a sociedade, seja por acidentes ou agressões, e com armas de diferentes origens, já que existe grande migração de armas registradas que vão parar na ilegalidade”, diz Carolina Ricardo, diretora-executiva do Instituto Sou da Paz. “Mas a violência armada afeta de forma ainda mais desproporcional jovens negros – muitos moradores de regiões periféricas. Isso se dá pela exposição a balas perdidas, pela cooptação de crianças e adolescentes pelo crime organizado e em casos de operações policiais que excedem o uso legítimo da força, além das falhas anteriores em prover políticas de prevenção à violência e em garantir a assistência social necessária em territórios vulnerabilizados”, reflete.

Filmado em São Paulo, nas Favelas de Heliópolis, Guaianases e Mooca, a obra é um curta-metragem do álbum, trazendo uma narrativa visual honesta e impactante: “Inspirado pela história de MK, como contada na introdução de seu álbum, dei início a este projeto. Sua mensagem é poderosa e ressoa com muitos jovens da periferia, incluindo eu mesmo. Como diretor, venho de um contexto onde o crime era uma presença constante, e aos 12 anos, já tinha acesso a uma arma de fogo. Com o apoio do nosso diretor de criação, Tico Fernandes, levei o projeto para a Africa Creative, que sugeriu enfatizar que, para muitos jovens no Brasil, o primeiro presente é uma arma de fogo. A Africa trouxe a Czar como parceira na produção, e os Diretores Paladino se destacaram na ressignificação e execução do projeto, colaborando comigo na direção. O filme não segue uma linha narrativa linear e apresenta momentos lúdicos. A ideia principal sempre foi provocar sentimentos e reflexões sobre como as histórias desses personagens se conectam na vida real e, infelizmente, seguem um enredo semelhante”, explica Kaique Alves, Diretor e Criativo na KondZilla.

Com direção da dupla Paladino (Beto Galloni e Gabriel Avelar) e Kaique Alves, a obra explora conceitos filosóficos e usa de metáforas visuais para ressaltar  a trajetória da rapper, retratando o diagnóstico de um Brasil em que o primeiro presente de muitos jovens é uma arma de fogo. No entanto, o curta também revela a redenção de Jovem MK, que recusa perpetuar sua vida no crime – escolhendo o caminho da música.

“É muito especial fazer parte de um projeto como esse, somos muito gratos pelo convite da Africa e KondZilla pra dirigir o filme. Desde o primeiro contato com o álbum, entendemos o quão importante era tratar a narrativa da Jovem MK de forma visceral, mas ao mesmo tempo buscando fazer uma imersão nos sentimentos e consequências da inserção precoce no crime”, comenta Beto Galloni. “O rap foi e sempre será ferramenta de mudança no nosso país, nosso intuito é que o clipe reverbere ainda mais a mensagem da Jovem MK, e assim inspirar outros jovens a seguir um caminho melhor”, finaliza Gabriel Avelar.

Lançado no canal da KondZilla no YouTube, o projeto conta com posters espalhados por São Paulo, conteúdo nas redes sociais e uma parceria com o Instituto Sou da Paz, promovendo a conscientização de jovens da periferia para seguirem um caminho diferente.

View Comments (0)

Leave a Reply

Your email address will not be published.

© 2020. Afro.Tv Brasil todos direitos reservados.